O diário de um gay não gay: sou homossexual

Archive for the ‘parada gay’ Category

Que o dia dos namorados seja na verdade todo dia

In amor entre homens, bissexuais, casamento gay, comportamento, dúvidas, dentro do armário, descoberta sexual, Dia dos Namorados, diferenças, discriminação, escolha sexual, esteriótipos, garotos de programa, GLBT, homossexuais, namoro gay, namoro um homem, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, revista gay, sexo, sexualidade, sou gay on junho 13, 2012 at 1:26 am

Eu quase não ia escrever este post hoje, mas estou aqui para falar com vocês. Eu como canceriano, prezo datas, tenho a maior vontade de viver esta data, mas ontem uma grande amiga me disse algo importante, que o meu dia dos namorados será quando eu tiver o dia com meu amor, e que esse será o dia dos dias.

E isso é verdade, e junto com esse pensamento eu digo, que o dia dos namorados deve ser todo dia, este deve ser a cada momento, a cada reinventar a relação, a cada sorriso, a cada anoitecer e amanhecer. O namoro é uma arte, é a arte de não cair na mesmice, se reinventar, se renovar, fazer votos diários para que cada parte sobreviva a uma jornada.

É cair e se levantar, acolher, sorri, dar a mão, se incentivar, falar, se calar, compreender, analisar, se presentear, semear, florescer, e um dia se ir pela vontade da vida.

Desejo a todos um ótimo dia, a quem não tem um namorado não desanimem, se amem, em breve o amor virar a té vocês. E nunca deixem de acreditar, o amor existe, e ele vai chegar até você, pode demorar, mas ele virar, todo mundo merece ser feliz nesta jornada.

FELIZ É AQUELE QUE MESMO SÓ, SABE AMAR.

Se amem!

Continuem lendo outros post clicando aqui

Como será meu futuro?

In amor entre homens, comportamento, dentro do armário, descoberta sexual, Dia dos Namorados, diferenças, discriminação, escolha sexual, esteriótipos, homossexuais, Meninos e Meninas, namoro gay, namoro um homem, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, revista gay, sexo, sexualidade, shelter o filme, sou gay on junho 6, 2012 at 4:18 pm

Essa pergunta está nas nossas mentes, e tenho visto nos comentários de muitos de nossos leitores.

Muitos de nós quer ter uma família, mas não aos moldes tradicionais, nem aos moldes que vemos em filmes gays como a “Gaiola das Loucas”, etc. Queremos ter um companheiro, ou até mesmo uma relação formal, seja ela vivendo no mesmo teto, ou até podendo compartilhar casas.

O ter filhos é outro sonho. Eu mesmo quero adotar ou talvez quem sabe uma inseminação artificial. Mais provável é que seja(m) adotivos, isso vai depender do meu parceiro nessa história. Se eu não tiver esse companheiro, o certo é que terei filhos dessa forma.

Importante quando se imagina um futuro. Não é perguntar. Vai dar certo ou não!? É esta consciente e ter em mente uma coisa importantissima. Ter valores, crenças, ser flexível.  Sobre a flexibilidade, é também essencial, pois uma hora você vai ter que atrasar ou ceder uma coisa ou outra.

Essa parte dedico aos mais novos, adolescentes. Não se precipitem, não fiquem encucados, não fiquem desesperados ou pensando muito, como  será que vai ser. Certamente todos nós queremos saber como serão as coisas. Vocês devem ter calma, tranquilidade para que tudo flua com facilidade. Nem sempre a vida vai ser um mar de rosas, ou um céu de brigadeiro. Mas vocês tem que ter em mente que tem a grande mágica da vida, tem inteligência, que podem contornar as coisas. Que as vezes uma porta se fecha, mas uma outra se abre.

Outra coisa, é mais importante que você se aceitem do que sejam aceitos. O ser aceitos pela família e demais, eu sei que é uma busca. Mas nada adianta ser aceito, se você não se aceitar.

Bem, é isso por hoje.

Tranquilidade ai! Felicidade a todos. Façam um esporte, façam arte. Cultura e esporte são dois bons caminhos para aliviar as dores e ansiedades.

Continuem lendo outros post clicando aqui

Um homo na novela de uma forma diferente

In amor entre homens, bissexuais, boate gay, casamento gay, comportamento, dúvidas, dentro do armário, descoberta sexual, diferenças, discriminação, escolha sexual, esteriótipos, homossexuais, namoro um homem, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, psicologia, sexualidade, shelter o filme, sou gay on maio 23, 2012 at 4:51 pm

Vou começar esse post antecipando o que muita gente está falando, que o dos personagens, o Roni, da novela Avenida Brasil, aquele rapaz que joga futebol, vai se assumir gay/ homo. Estava na hora de isso acontecer numa novela. Pois normalmente só vemos personagens gays baseados somente em esteriótipos. Não que isso seja ruim, mas temos que mostrar a realidade, e a realidade é que tem milhares de gays que não tem perfil que se encaixe no chamado mundo gay ou personagem gay.

Bem, o post é curto e encerro ele como o comentário do nosso leitor Leo, que tem algumas coisas interessantes.

Olha só …
Se o Cabeça me permitir, Daniel, digo a você que essa estória de “aparência de ser homossexual” não tem muito fundamento e ta meio fora de moda.
Não há como se saber como a pessoa vive (o que quer e o que pensa) apenas pelas aparências. Tem caras, muitos mesmo, que nada tem de aparência gay.
Aliás, como diz o ditado “as aparências enganam”.
Conheço muitos caras que não tem a menor identificação com o chamado “mundo gay” – absolutamente nada – e, no entanto, gostam de homens, ficam com homens, vivem com homens…
O que interessa é o que a pessoa quer pra si mesmo.

Voltando aqui ao post, acredito que deva ter gay afemando, não afemando, branco, negro, amarelo, pobre, rico. As novelas tem que mostrar a realidade e não ficar somente em personagens gays esteriotipados e ricos. Vamos buscar mostrar o dia-a-dia e pessoas de verdade.

Continuem lendo outros post clicando aqui

Mais preocupados com beijo e casamento gay do que se a pessoa está feliz

In amor entre homens, bate papo gay, bissexuais, boate gay, casamento gay, dúvidas, dentro do armário, descoberta sexual, diferenças, discriminação, editorial, escolha sexual, garotos de programa, GLBT, homossexuais, namoro um homem, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, psicologia, revista gay, sexo, sexualidade, sou gay on abril 20, 2012 at 12:20 am

Esse título imenso, é o que tenho hoje para abordar. Ontem peguei um baita engarrafamento do Centro do Rio a Zona Sul e perto da Lagoa, estava pensando nisso, como uma parte dos gays, e principalmente ativistas estão mais preocupados em debater se pode ou não beijo gay na tv, se deve ou não se casar. Mas esquecem temas mais importante, como se as pessoas estão felizes, ou não, como poder abordar temas que ajudem as pessoas a se relacionarem melhor.

Na verdade eles querem é que haja um beijo, mas a pergunta, será que quem beijou, o fez de verdade ou só para dizer que fez. Do que adianta dizer “eu tenho um namorado” …A pergunta é você ama de fato ele, tem cumplicidade, amizade acima de tudo, ou que tê-lo somente como uma vitrine, aquele que você vai beijar em público ou numa boate, para os outros falarem…”olha fulano lá namorando um cara lindo” ou “olha que sorte ele não está só”.

O mais importante do que dar respostas sociais, ou que as pessoas querem ou não que façamos, é ser feliz, ser honesto com seu parceiro, tentar ser o mais legal consigo e com a pessoa que está ao seu lado.

Hoje vivemos na sociedade do descartável, da sociedade do produto que tem que ser exposto na vitrine, e isso se reflete no meio gay, ter o cara fodão para mostrar. Exigir o tal beijo gay na tv, que na verdade deveria ser natural e não algo superficial.

O mais importante é que sejamos homo humanos, e não coisinhas manipuladas pela midia e por um grupo de pessoas que se dizem porta voz de a, b ou c.

Um dia desses estava vendo uma debate, gays x pastor tal. Na verdade os dois lados estão errados, estão cercados de ódio, dogmas bobos, e se esquecem do principal respeito e amor ao próximo. Eu não vejo diferença nenhuma entre gay “lideres” e pastores, na verdade todos estão ali tentando passar uma verdade que não há, e se esquecem do principal, do ser humano, de que este é único, de que deve buscar a felicidade só se constroi com amizade, amor e respeito.

Continuem lendo outros post clicando aqui

Para nós homo/gays pensarmos e refletirmos

In amor entre homens, barbie, bissexuais, boate gay, comportamento, dúvidas, dentro do armário, descoberta sexual, escolha sexual, gay, gays, homossexuais, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, psicologia, revista gay, shelter, shelter o filme, sou gay on abril 3, 2012 at 4:09 am

Essa semana postei uma foto de uma favela aqui, para refletirmos como estamos encaminhando nossas vidas como seres humanos, que somos, como homossexuais que fazemos parte de uma sociedade, mas que as vezes nos achamos superiores ou fora dela.

Nosso leitor Giuliano postou esse comentários que quero compartilhar aqui com vocês:

“O melhor ao ver esta imagem é saber que dentro de algumas dessas casas, em algum destes becos e vielas existe um ou mais gays/homossexuais vivendo esta realidade.
Cotidianamente há gays que não vivem a “fantasia” colorida, delirante, das academias, da futilidade, do dinheiro em excesso, da beleza a qualquer custo, das marcas etc…
Na favela/comuninades há gays/homossexuais, já pararam para pensar nisso?”

Para encerrar esse post hoje, deixo mais uma reflexão…assistam ao vídeo, e tentem entender algo…”no você sabe com quem você está falando” E tragam isso para… frases que podemos ouvir no meio gay: no nosso mundo só os bonitos sobrevivem… ou se não é gay não presta…

No dia em que entendermos que o mundo não gira em torno de nós, que na verdade fazemos parte dele, a vida ficará menos complicada e mais feliz de fato, e vamos passar a fazer bem para si mesmo e para os outros.

Quando o amor não é correspondido

In amor entre homens, boate gay, comportamento, dentro do armário, descoberta sexual, Dia dos Namorados, diferenças, homossexuais, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, psicologia, revista gay, sexo, sexualidade, shelter o filme, sou gay on março 22, 2012 at 5:57 pm

Estes dias um amigo me contou que um amigo dele estava se apaixonando pelo mesmo, e que tentou se aproximar para ficar. Só que ele por ter namorado e por também ver o rapaz como um amigo, não aceitou ficar.

O rapaz chorou e ficou chateado, algo compreensível quando se toma um não.

E conversando com esse meu amigo ele dizia que prefere ter o rapaz como amigo e o vê-lo assim, e que esperava que ele compreendesse e até vislumbrasse que podem construir algo muito mais bacana, que é ter uma amizade sólida.

É isso que eu acho bacana, eu mesmo tenho com esse amigo algo muito legal, temos projetos em comum, e uma amizade sólida. Com o cara que eu gosto, eu também tenho algo, que se fosse para pesar entre namorar e ter a amizade cumplice, preferia a amizade cumplice.

Namoro em muito casos evolui e termina, e cada um acaba seguindo para um lado. Amizade até pode terminar um dia, mas se você constroe uma sólida o bastante, que tenha amor, cumplicidade, respeito e companherismo. Isso sim, vale muito mais que muita cama, beijo na boca.

Bem, isso é o que temos para falar.

Continuem lendo outros post clicando aqui

O que se passa na cabeça dos gays?

In amor entre homens, bissexuais, cinema gay, comportamento, dúvidas, dentro do armário, descoberta sexual, diferenças, discriminação, escolha sexual, esteriótipos, gays, GLBT, GLS, homossexuais, opção sexual, parada gay, preconceito, psicologia, revista gay, sexualidade, shelter o filme, sou gay on janeiro 30, 2012 at 11:06 am

O post de hoje é inspirado no comentário de nosso leitor Raoni:

“Sinceramente cansei de me questionar o que se passa na mentalidade dos gays. Mas acredito que é uma junção de fatores sociais (homofobia internalizada), hormonais, familiares e instrutivos (que instruem). A ciência e a antropologia estão a buscar mais as respostas para as possíveis causas do comportamento homossexual do que estudar o comportamento do homem homossexual diante da sociedade e de si próprio afim de esclarece-lo e/ou ajudá-lo. Então, já que ninguém se candidata a estudar o indivíduo, somente as causas que levam o indivíduo a existir, fica difícil encontrar respostas” (Parágrafo escrito pelo leitor Raoni).

Nosso leitor falou tudo! A ciência, os psicólogos, alguns religiosos, ficam procurando motivos para uma pessoa ser gay, e se esquecem que somos apenas um ser humano. Seria mais bacana que ciências como psicologia, sociologia e antropologia, estudassem o modo comportamental, a sociedade em que os gays se inserem e suas relações com estas. Assim poderia-se traçar alguns padrões, identificar que os homossexuais são formados por pessoas diversas e com padrões multiplos e não somente um estilo de ser, ou apenas um esteriótipos que comumente é apresentado a sociedade como sendo o padrão.

Também, entenderiamos melhor porque uma parte das relações homossexuais só são baseadas pelo sexo, porque há tanta vaidade, etc. Claro sexo e vaidade são elementos da sociedade humana, seja ela hetero ou homo, mas que tem forte aporte no nosso meio.

Estudando o modo de ser de cada subgrupo homo, conheceríamos melhor nosso modo de ser, as dúvidas, os anseios, as aspirações. Seria até melhor para se fazer políticas de inclusão mais claras.

Creio que nem os grupos GLBT ou ativistas gays, conhecem realmente quem são os homossexuais a sua volta.

As interrogações são muitas, mas seria bom um estudo, sem paixões e realistas sobre o modo de ser gay.

Continuem lendo outros post clicando  aqui

Ser gay, interagindo com todo o mundo

In amor entre homens, bissexuais, boate gay, chat gay, comportamento, dúvidas, dentro do armário, descoberta sexual, diferenças, discriminação, escolha sexual, gosto de homem, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, psicologia, revista gay, shelter o filme, sou gay on janeiro 23, 2012 at 12:57 pm

Todo mundo fica curioso para saber quem eu sou, quem faz o blog, alguns leitores já estiveram em conversa via msn comigo, ou pessoalmente. Tenho até uns que se tornaram muito amigos e que já até vieram aqui em casa.

Hoje vou postar uma foto minha aqui, de costas, mas fazendo umas das coisas que curto fazer, interagir com o mundo.

Eu sempre respondo quando me enviam e-mails se queixando do tédio da vida. De como conhecer outras pessoas? Se gay deve sair do guetto ou ficar no guetto gls?

A resposta é interagir com o mundo, não limitem seus mundo, conheçam pessoas, façam esportes, vivenciem o mundo. Não transformem o seu mundo em uma boate. A boate é apenas um dos lugares que você pode ir para se divertir, mas ela não é o mundo. O mundo está aqui fora, cheio de sabores, dores, alegrias, tristezas, mas também repleto de coisas boas, de gente querendo te conhecer, querendo que você ensine algo a elas, que haja interação.

Não se escondam da vida, não fiquem limitados a esteriótipos de que gay tem que ser de uma forma ou de outra, que só pode frequentar tal local.

A vida passa rápido e quando você perceber que deixou de conhecer lugares legais, pessoas bacanas, de interagir, só porque limitou-se a noite da boate, ou a estética que mandam, talvez se arrependa, então faça da sua vida uma grande festa de apredizado, de vivência. Descubram o mundo, e não se limitem, por sermos gays.

Claro, não estou querendo passar aqui uma receita de felicidade, pois realmente não há. Mas tentem vivenciar a vida como um bom vinho.

Bem ai, sou eu fazendo uma atividade que todo gay deveria fazer uma vez na vida, tomar um banho de cachoeira. Faz muito bem!!!

Continuem lendo outros post clicando aqui

Um mundo gay “certinho” demais…

In amor entre homens, bissexuais, comportamento, dúvidas, dentro do armário, descoberta sexual, diferenças, discriminação, gays, GLBT, GLS, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, psicologia, reciclagem, revista gay, sexo, sexualidade, shelter o filme, sou gay on dezembro 19, 2011 at 12:49 pm

Sábado a noite voltando na chuva para casa, fiquei pensando algumas coisas que fiz durante a tarde de sábado, quando fui eu e um amigo hetero a praia, ,na tarde em que desabou uma tempestade e tivemos que nos abrigar em um Bobs. Na tarde em que encontramos amigos e já que voltamos a praia ligo após a tempestade de verão ter passado. Jogamos altinha, e depois futebol americano e rugby. Não estou aqui querendo passando uma impressão masculizada, estou apenas contando sobre coisas que faço e estão no meu cotidiano semanal.

Jogamos, nos sujamos de areia, um agarrando e tentando derrubar o outro, sem maldade. Coisas simples, e o melhor, sentamos os seis juntos na areia molhada observando o sol se por em meio a tempestade que rondava o mar.

Não é cena de filme, é coisa simples que gostaria de compartilhar com outros gays, que gostaria de tê-los participando, mas que eles se recusam nesse formato.

Confesso que as vezes tenho a impressão que o mundo gay tenta ser certinho demais, engomadinho demais, arrumadinho demais, como se fosse um desfile, uma passarela.

Isso as vezes me fere, a falta de outros gays ou até rapazes não assumido com vontade de vivenciar essas coisas, com vontade de não somente viver o mundo dos bares e boates. Pois, boa parte dos gays assumidos, ou que são mais visiveis na sociedade, rotulam e limitam seus mundos a esses espaços.

Essa semana conversando com um leitor que nos deixou um comentário. O mesmo dizia, como o meio gls era mais leve antigamente, até mais simples e descomplicado em épocas que ser gay era mais difícil; como antigamente (10 anos atrás) as pessoas se permitiam não somente estarem num mundo somente de glamour de bares e boates.

É de coisa que parecem bobas e banais para muitos que sinto falta ver gays fazendo.

Sinto falta também de gays fazendo atividades que muitos rotulam como masculinizadas, mas que são comuns, simples, e não tem nada de grosseiras ou até como alguns gays falam “primitivas”. Sinto falta de um cara que tope conhecer meu mundo, que não tenha medo de se sujar de areia, de falar bobagem, de interagir com gente mais nova e até muito mais velha. Que tope andar descalço, viver um dia-a-dia sem aquela coisas criada por uns que você tem se vestir igual, não pode suar, não pode interagir com outros grupos ou tribos.

Sinto falta de DIVERSIDADE de atividades no mundo gls.

Continuem lendo outros post clicando aqui

Está só ou não?

In amor entre homens, comportamento, dúvidas, diferenças, discriminação, gosto de homens, namoro gay, opção sexual, parada gay, preconceito, primeira vez, psicologia, revista gay, shelter o filme, sou gay on novembro 23, 2011 at 2:43 pm

Vou começar o post de hoje pedindo desculpas por está escrevendo com menos frequência estes dias. É por conta do trabalho.

Hoje o post vai indagar: É melhor está sozinho ou não?

Pela manhã estive com uma amiga, e conversavamos sobre o quão difícil é encontrar uma pessoa bacana e equilibrada, e sobre a dificuldade de entender a cabeça humana. E essa caixinha de surpresas que o ser humano.

Uma das constatações era aquela já mencionada pela pesquisa do Censo do IBGE, que mais pessoas estão vivendo sozinhas no Brasil. Talvez uma tendência, que muitos chamam de egoísmo, outros chamam de espaço, ou até mesmo, uma opção, numa situação meio difícil de se estabelecer relacionamentos equilibrados e sem aquele estrangulamento, ou melhor, sufucamente que muitos parceiros dão ao outro.

Eu já deixei de querer entender o ser humano. O cara diz que não quer nada sério, que não quer nada contigo. De repente ele aparece do nada, com um papo meio furado, não querendo dá o braço a torcer que está ali te procurando. Você fica com ele, vem aquela euforia. Mas no fundo, você se indaga, faz perguntas a si mesmo. Será que aquilo tudo não é uma ilusão, mais um joguinho?

São essas situações incertas que levam muitas pessoas a optarem por estar sozinhas, se dedicarem a si, e evitar relacionamento. Há casos que o cara faz sexo as vezes para suprir as carências físicas e emocionais, e evita de fato ter o relacionamento, que as vezes pode ser desgastante. Já que muito dizem que querem namorar, mas na hora da chamada a firmeza do namoro, tiram o corpo fora.

Como já disse aqui antes, namoro não é posse, mas o que deve haver é no mínimo cumplicidade, amizade, e respeito. Coisa que muito homem não quer.

Eu tenho pensado muito se faço só sexo as vezes, e abandono essa idéia de ter um namorado. Me dedico de vez somente a minha pessoa, e esqueço a idéia de compartilhar momento com alguém. No fundo eu sei que não quero isso, pois gostaria de ter meu leke para dividir bons momentos. O problema é que as pessoas não se pernitemserem amadas, serem tratadas bem. Quanto você mais esculacha parece que a pessoa gosta. E para viver esculachando os outros eu não quero.

Uma vez um cara me falou que eu queria um namorado porque eu sou carente. Carente todos nós somos. As vezes não damos o braço a torcer e aceitar que isso é verdade. Mas eu quero um namorado para poder compartilhar coisas bacanas, por compartilhar sentimento, calor, amor, sexo, verdade. Eu não quero uma posse, apenas quero alguém que apareça nem que seja uma vez por semana para sentar conversar, trocar um carinho, ou até sair para fazermos algos que os dois gostem. Algo que extrapole aquela coisa de amizade, que eu tenho com tranquilidade com meus amigos heteros.

São muitas interrogações… Enquanto isso vou tentando conhecer pessoas, mesmo sabendo que uma parte dos homens gays são ainda mais safados e escapam de algo mais sólido.

Continuem lendo outros post clicando aqui

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 95 outros seguidores