Visões da sociedade sobre gays

Conversando com um amigo meu hetero  a respeito de sexualidade e amor. Ele me dizia que a visão que a sociedade tem sobre os homossexuais é de que a relação sexual entre dois homens se basea fortemente entre quem é ativo ou passivo, quem é o homem ou a “mulher”, “quem come” ou quem dá”.

Eu sei também que muitos homossexuais, são muito radicais quanto a isso, chegam ao ponto de falar “sou ativo, não faço carinho e não beijo”. Como se isso fosse diminuir a masculinidade da pessoa. Outros passivos dizem se o cara ativo é muito carinho “você está sendo muito passivo”.

No meio dessa confusão toda está os ser humano, que não pretende se prender a estes esteriótipos toscos criados por heteros e homos.

Ainda sobre a conversa com meu amigo sobre a sexualidade de um homo, eu falei a ele, que eu posso passar horas de roupa me abraçando com um cara e ter mais prazer do que muita penetração, que existe preliminares como em qualquer relação sexual. Falei da importância das sensações e toques, da descoberta dos corpos. Mesmo sabendo que tem muito gay que não curte isso. E também comentei sobre a importância da conversa no ato sexual. Eu mesmo curto bastante falar bobagens, ri, falar coisas carinhosas. E isso, não anula de forma alguma a parte ardente da relação sexual.

Muitos homossexuais trazem ainda consigo aquela coisa meio machista de que no sexo tem que “meter”. Aquela coisa a mulher é o “saco de esperma” e querem transportar isso fortemente para suas relações. Se esquecem que sexo é um conjunto, é feito por cheiros, toques, sensações, presença, falas, e também por penetração. E esta última, não é o 100% de uma boa relação sexual.

Outro fato que vou comentar aqui, tem haver com o se assumir. Dois amigos meus heteros, já me disseram, me tom de brincadeira, mas toda brincadeira tem verdade “olha, não vai se apaixonar por mim não”. As pessoas acham que todo homem é um objeto ou um alvo para o homossexual. Admito, essa crença tem apoio de uma parte dos gays, que vêem um outro homem muito das vezes com visão deturpada, e somente sexual.

Na minha visão, nem todo homem me dá desejos sexuais. E aqui digo o pensamento de que todo homem é um objeto, me remete aquela visão machista de que: somos homens, temos que cumprir nossa função, que é pegar toda mulher que aparecer na nossa frente. Mais uma visão importada por muitos gays, que não sabem separar as coisas. E querem pegar todo homem que aparece pela frente.

Eu já me apaixonei por hetero, sim, por conhecidos, sim. Não digo que nunca vá me apaixonar por um amigo, e confesso, ocorreu uma vez, e foi porque ele procurou… Mas não é porque eu tenho um amigo hetero que ele vá virar meu alvo de desejo. As pessoas tem que começar a seperar as coisas. As coisas podem até ocorrer, mas não é com toda as pessoas que convivemos. O querer e gostar, não depende somente do físico, mas sim de um conjunto de fatores muito maiores. E também do outro.

Sentimento é algo que não controlamos, e também é algo normal, deve ser encarrado com normalidade e não com culpa e distorções bobas. Vale pensar.

Bem, é isso.

Continuem lendo outros post clicando aqui

Anúncios

15 respostas para “Visões da sociedade sobre gays”

  1. Te dei muito moral por este post. Ele retrata quase tudo que passa pela minha cabeça. Essa coisa da importância das sensações e toques, da descoberta dos corpos faz muito sentido, pelo menos pra mim. Não sei que é, mais o que mais me atrai no homem é a pele, o cheiro… Cara, não dá pra explicar mesmo. Só sei que não se relaciona diretamente com essa coisa de preliminares… Penetração, em geral. Não que isso não me excite, só que inicialmente o que mais me atrai é mesmo essa descoberta dos corpos, como você disse. Outra coisa: Tenho muito medo de me assumir porque fico com receio dos meus amigos héteros acharem que estou dando em cima deles, ou com alguma intenção. Eu sei que o que vou te falar não tem muito á ver com essa brincadeira que seus amigos te fizeram: “olha, não vai se apaixonar por mim não”. Brincadeira que eu acho até madura para o que meus amigos héteros iriam pensar. Mas é porque eu ouço muitas vezes dos meus amigos héteros que eles tem “medo de gay”. Para mim pode ser essa imagem que eles tem que extravagância do tipo “padrão” de gay que até a mídia influencia muito, ou também pode ser mesmo o medo de eu dar em cima deles, o que é muita imaturidade. Uma generalização realmente muito precipitada, porque uma coisa eu tenho, que é respeito por eles. Eu sei que você me deu o concelho de me focar no vestibular agora e não me assumir.. Mas sabe quando você sente que está a um passo de se assumir? Não sei porque mas é assim que eu me sinto. Por isso gostaria de saber o que eu faço caso eu me assuma agora, ou mesmo depois em relação à isso que eu disse sobre meus amigos héteros. Queria só deixar claro que meus amigos héteros (que inclui homens e mulheres), são imaturos à respeito desse assunto. Não todos, mas a maioria. Obrigado

    1. Conselho é que você continue sendo você, com os mesmos padrões e comportamentos que você tem. Não precisa mudar e virar o que o meio gay quer, ou que o meio hetero espera de um gay. Seja você. Isso é um grande diferencial e amortece um pouco o preconceito.
      abraçao

      1. Com certeza, vou continuar sendo eu, independentemente que eu me assuma, não tenho dúvidas disso! Mas como eu te disse, meus amigos por ainda terem uma cabeça fraca, iam generalizar a imagem que eles tem de gay e iam ficar estranhos. Eu não tenho dúvidas disso.

      2. Isso. Vai analisando e vendo, o que pode ser feito, mas nao se precipite.

  2. Essa coisa de achar que todo “ser masculino” interessa aos homossexuais é muito esquisita. Eu por exemplo, trabalho com mais de trinta caras, não sinto desejo por nenhum deles. E não é porque eu seja santo não, simplesmente não tem química, não sei se pela função ou sei lá o que, mas o pessoal do trabalho, não rola. Em compensãção, tenho um três amigos de infância que me deixam perturbado, são muitos anos de convivência, muita coisa junto e mesmo assim, eu os desejo como sempre, mas sempre respeitando a condição sexual deles, nunca deixei transparecer minhas intenções.
    Por conta dessas coisas e de outras tantas, como o Lucas comenta, creio que vai demorar muito para eu assumir pra alguém que sou gay, quem sabe, depois que eu passar em um outro concurso, onde a atividade seja menos expositora do que a que agora estou.

    Sobre a lida com o outro: só sexo é muito pouco, um carinho, um afago, uma palavra, um abraço… é tão ou melhor que o sexo em si. Tenho desejado muito alguém para partilha de carinho e cuidado, isso é muito massa, isso realmente me inspira e faz pensar que a vida é linda, mas quando acordo… é luita! rsrs.

    Valeu blogueiro pelo espaço virtual, tenho consumido em largas doses seu blog, como um estimulante à autocompreensão.

    Abraço a todos.

    1. Falow Marcus!! Estamos as ordens!
      Eu também não não vejo todo cara com desejo, o que me chama atenção, está em meio a um em um milhão rs
      Abraçao e continua a comentar.

  3. Engraçado isso: no mesmo dia fizemos posts sobre os mesmo assuntos centrais:

    – a infeliz padronização do comportamento no campo afetivo-sexual.
    – a dificuldade de achar pessoas que pensem como nós, que valoriza o “estar junto”, o “conversar”, o contato simples de uma mão na outra, de um abraço, de um roçar de rostos…, de fazer programas tranquilos juntos…

    Então nem vou ficar repetindo o que já disse no meu blog, só vou confessar aqui que, sinceramente, posso até estar sendo ingênuo, mas essa questão de ativo/passivo, é a última das minhas preocupações no momento. Isso é algo q se descobre a dois e acho que é possível alternar de uma condição a outra, conforme o interesse de ambos. Não penso que a prévia definição entre um e outro deve servir como requisito, condição para a continuidade de um relacionamento. Acho que um relaconamento nao começa, nao se sustenta, nem termina por aí…

    No dia que conhecer alguém que logo de cara me fizer a pergunta

    “- vc é ativo ou passivo?”

    vou responder:

    ” – Sou ativo o suficiente pra procurar alguém que me veja como um homem e não como uma posição sexual, e passivo o bastante para acreditar que a vida vai me trazer pessoas que pensem bem diferente de vc!”

    Foi mal se ofendi alguém!

    Miguel.

      1. Ah, só pra esclarecer rsrs: diria isso se quem tivesse me perguntado fosse algum outro cara, gay, q tivesse perguntado no intuito de querer logo de cara um relacionamento íntimo… Se fosse, tipo, um amigo, algum conhecido, lógico que seria educado, e tentaria explicar q esse tipo de dúvida, embora comum, diz respeito a intimidade do casal, e coisa e tal… kkkk.

        Esqueci de contextualizar a situação, acho q por isso q vc pediu calma, né??? kkk. Abraço blogueiro e ótimo domingo!!

  4. Adorei a resposta do Miguel . Mas realmente as pessoas tem sim um certa curiosidade ex: minha mãe conhecia um casal de homossexuais que viviam juntos a muitos anos e sempre quando eles não estavam falava eles são ótimos mas quem deve ser o passivo e o ativo e não é só a minha tem muitos que tem essa curiosidade. Acho engraçado que as pessoas não pensam que o sexo vai muito além de quem é passivo, ativo ou versatil é muitos mas do que isso não tem regras não tem limites para colocar padrões e esteriotipos e sinceramente não sei qual o interesse em saber . Olha já estou bem preparado quando for me assumir estou esperando a minha independencia financeira mas já sei que muitos amigos vão se afastar outros vão continuar meus amigos alguns não vão querer tirar certas brincadeiras como tiram agora e outros não vão nem ligar vai continuar a mesma coisa isso é o que acontece com a grande maioria

    1. Carlos,
      Realmente as pessoas tem muita curiosidade, um dia desses conversava com um amigo sobre isso. Que sexo não é só penetração. Conheço muita gente quem penetração faz e é super feliz.
      Quanto ao se assumi, tudo na sua hora, e não tenha ansiedade para falar de algo quem não é de interesse dos outros.
      Quanto a seus amigos aceitarem ou não, se você contar, os que forem seus amigos, ficaram, os que não forem se afastaram. E piadas vamos ouvir infelizmente, mas o grau desta piada vai depender do espaço e abertura que você vai dá a essas pessoas.
      Abração e continue a comentar.

  5. Sabia q vc ia gostar Carlos! hauahau. E concordo contigo: sexo vai muito além… não tem regras e nem tem limites… Muita coisa que não é penetração pode ser sexo… e do bom!… rsrs Valeu!

  6. Olha só, acabo de passar por uma dessas situações onde a gente “analisa” a visão das pessoas sobre os homossexuais, rs

    Minha amiga aqui do escritório tava me mostrando umas fotos, e entrou no album de um casal de amigas dela. A gente vendo as fotos, as duas são meninas lindas, bem femininas, mas essa minha amiga falou algo como “se você reparar bem, vai ver que uma delas tem um jeito mais de menino”… Dai eu falei pra ela que eu não via nada disso, as duas tinham “jeito de mulher” e que as pessoas tinham esse problema de ao ver um casal homossexual tentar definir um “macho” e uma “fêmea”. Por isso no caso de homens como nós, esse interesse em ativo-passivo, é como se o passivo fosse automaticamente o feminino/fragil. Lembrei de uma história antiga que li uma vez num jornal de um politico extremamente homofóbico (não me lembro nome ou datas exatos agora), quando descoberto que ele tinha AIDS (foi na época da explosão da doença) descobriram que ele mantinha relações com outros homens, mas ele morreu alegando que não era homossexual pois sempre foi ativo…

    Voltando ao caso da minha amiga, ela concordou comigo, mas comentou “ah sei lá, é que eu ainda acho muito estranho ver duas pessoas do mesmo sexo juntas, a sensação que eu tenho é que deve ser até legal, como uma amizade muito forte e bonita, mas eu não consigo ver como amor, amor de casal, parece que fica sempre faltando alguma coisa”.

    Eu falei que era a mesma coisa que ela sentia pelo namorado… Ela ficou pensando um pouco e disse “É, não sei se é a mesma coisa, mas tudo bem, acho que eu não vou conseguir entender mesmo”, e eu finalizei dizendo que a gente não precisa entender totalmente o que o outro pensa ou sente, desde que a gente respeite fica tudo bem, rs

    1. Pois é Alexandre,
      As pessoas sentem essa necessidade de querer entender a vida alheia. Essa curiosidade, essa criação de valores e costumes, do que é certo e errado. Imagina que há milhares de costumes que não são os nossos em outras culturas e nem por isso são errados, são somente sim, diferentes.
      Ai as pessoas acham que duas pessoas do mesmo sexo não podem se amar.
      Ai pergunto um religioso não pode amar seus fieis, uma pessoa que dedica sua vida a natureza, e nunca casou, não pode amar os animais e a natureza?
      As pessoas acham que amar é expor o parceiro para geral ver e dizer, olha eles estão se beijando.
      Isso tudo me lembra produto em prateleira de loja.
      Apego material e posse demais.
      Isso é, já vi varios caras dizerem que não são homo, porque eles são ativos.
      Isso aê, continue comentando e enriquecendo os debates.
      Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s